Como podemos utilizar a criatividade e inovação por um mundo melhor? Esta é a pergunta de partida para o Rock in Rio Innovation Week@LACS que entre 25 e 29 junho pretende juntar criativos, músicos, artistas, empreendedores, startups e freelancers numa troca de ideias e experiências, no recém-inaugurado Lisbon Art Center & Studios (LACS), em Lisboa.

Durante cinco dias, os participantes poderão assistir a mais de 100 intervenções entre talks e vários painéis sobre temáticas como digital marketing, design thinking ou inovação social.

A semana será preenchida também com workshops, atividades de networking, um startup challenge que pode valer um prêmio de cinco mil Euros e mostras de arte. Os bilhetes estão com um desconto de 40%, sendo que o diário custa 29 Euros e o passe geral para a semana inteira tem o preço de 89 Euros.

A diretora de Marketing do Rock in Rio, Agatha Arêas, falou com o Dinheiro Vivo e deslindou algumas das novidades que suportam esta semana.

Qual o objetivo do Rock in Rio Innovation Week @ LACS?

O Rock in Rio Innovation Week quer, acima de tudo, provocar transformações, promover a partilha de ideias e de experiências que demonstrem ter resultado ou que procurem ter impacto positivo na sociedade. É um projeto que visa fomentar as relações humanas e o conhecimento sobre meios tecnológicos e mindsets exponenciais que promovam o progresso de pessoas e profissionais.

Além disso, é uma oportunidade para todos os que desejam aguçar o seu olhar interrogador, sair da sua zona de conforto e fazer presente o futuro que desenharam.

De que forma surgiu este conceito?

A ideia nasce da cultura de inovação tão própria e retroalimentada que vivemos no Rock in Rio. Aqui somos incentivados a inovar, a testar, a apostar. O que interessa não é “não errar” mas sim “fazer”, estando preparados para, caso o erro aconteça, corrigir a rota a tempo, e, quem sabe, entregar um resultado ainda melhor, a partir da adversidade que tenhamos vencido, com criatividade, atitude positiva e resiliência. Acreditamos que há muitas pessoas e algumas marcas a procurar cada vez mais esse mindset nos seus múltiplos universos de atuação. Mas sabemos que ainda podem (e devem) ser muitas mais.

O mundo está a sair de uma energia de escassez e a abrir um canal para a energia da abundância. A tecnologia pode ajudar esta nova Era, e já o tem vindo a fazer. Mas para que seja de facto eficaz, o capital humano ainda precisa ganhar mais voz, mais pulso, mais intenção, mais presença e mais atitude.

O Rock in Rio tem como propósito construir um mundo melhor. E um mundo melhor passa por pessoas mais criativas, mais positivas, mais empáticas, mais ousadas, mais apaixonadas, mais preparadas, mais conhecedoras de si próprias e mais conectadas com que o resto do mundo está a pensar, a querer e a fazer.

A que público é dirigido?

Acima de tudo a todos aqueles que desejam, de alguma forma, fazer parte da transformação que o mundo vive neste momento. Esta é a primeira edição do projeto e não queremos limitar a sua abrangência. Acreditamos que teremos um público transversal em termos de idade, mas sobretudo com interesses ou atividades ligadas às indústrias criativas, ao empreendedorismo, à tecnologia, ao autoconhecimento e à comunicação.

Que atividades vão integrar o programa?

Teremos mais de 100 intervenções entre talks e painéis sobre assuntos que vão desde o digital marketing e design thinking até a inovação social. Teremos também workshops, atividades denetworking, um startup challenge, e, claro, música a animar os happy hours no incrível rooftop do Lacs.

Que tipo de workshops vão ter?

Teremos workshops de Design Thinking, de Teatro Business, Organizações Exponenciais, utilizando metodologias como o Lego Serious Play.

Em que vai consistir o Startup Challenge?

Trata-se de uma competição para as startups em earlystage, ou seja, que já superaram a fase de incubação e estão agora a validar os seus modelos de negócio no mercado. De todas as candidaturas recebidas, selecionaremos dez startups – por meio de um júri composto por elementos do Rock in Rio, Beta-i e Agência Nacional de Inovação – que irão depois fazer o seu pitch no dia 28 de junho, perante os elementos do júri, investidores e outros empreendedores.

O vencedor habilita-se a ganhar um prêmio monetário de cinco mil Euros por meio da iniciativa “Born From Knowledge (BfK)” da Agência Nacional de Inovação, entre outras distinções. Estamos à procura de soluções tecnológicas em cinco áreas principais: MusicTech & Event; Gaming,Entertainment & Content; Influencers & New Media; EduTech; Sustainable & DevelopmentTechnologies. Toda a informação sobre esta iniciativa e as candidaturas podem ser feitas através deste link.

E a mind experience?

A mind experience está a ser desenvolvida com o nosso parceiro Gaya Immersions, tratando-se de uma experiência imersiva em que grupos de 12 pessoas serão colocadas numa sala escura, e, por meio da projeção de imagens e da utilização de sons ancestrais, conjugados com frequências bio-neurais, serão conduzidas a uma experiência de meditação.

Que speakers vão receber?

A programação conta com pessoas e histórias fantásticos nas mais diversas áreas da criatividade, da comunicação e da inovação, entre eles Ricardo Marvão, cofounder da Beta-i, Miguel Oliveira, motociclista de MotoGP, Norberto Amaral, organizador do TEDxPorto, João Raimundo, Board Member do Lacs, Rivadávia Drummond, Global Business Development Officer na Arizona State University, os mentores do projeto “Revenge of the 90’s”, Rogério Canhoto, chief revenue officer da empresa, os responsáveis da empresa Jack The Maker, entre muitos outros nomes que prometem estimular novas ideias, encontrar novas visões e fomentar uma atitude positiva e o espírito de partilha entre todos os participantes deste evento.

Que artistas estarão representados nas exposições e instalações artísticas?

A direção artística do Rock in Rio InnovationWeek e do próprio projeto Lasc é assinada por um dos seus BoardMembers, João Raimundo, colecionador e entusiasta da Arte enquanto ferramenta de inclusão social. Será anunciado mais sobre esta programação em breve mas podemos adiantar que será um diálogo irreverente entre jovens artistas e um consagrado artista português de grande expressão internacional. Em paralelo haverá um painel onde alguns dos artistas de arte urbana que têm vindo a trabalhar com a marca falarão sobre os seus processos criativos, propósitos e desafios, além de exporem as suas obras ao longo da semana de evento.

Ainda estão a receber candidatos para as exposições? De que forma podem concorrer?

Até quando? Para se candidatarem a expor as suas obras e projetos exposições, os interessados devem entrar em contacto através do endereço de emailinfo@rockinrioinnovationweek.com até o final de maio. Todas as ideias serão mais que bem-vindas! Este é um projeto que está a ser co-criado pelo Rock in Rio, pelo LACS, pelos speakers e patrocinadores – Cerveja Coruja e Cofidis. Está a ser uma experiência muito positiva, construir este projeto desta forma colaborativa.

Que temas estarão em debate?

Vamos ter conversas dedicadas à comunicação e à conectividade, abordando os novos media e desafios, como as relações humanas na Era da Inteligência Artificial e da Revolução 4.0. Discutiremos temas tão díspares como soluções inovadoras para as cidades, o ambiente de trabalho e o processo de aprendizagem das pessoas. Haverá ainda a abordagem da criatividade como motor de transformação de pessoas, marcas e processos para a criação de futuros desejáveis.

Qual a diferença entre este evento e o RIR Academy?

O Rock in Rio Academy é uma formação executiva, baseada no modelo de negócio do Rock in Rio. Aqui, os participantes estudam o case RiR nas suas mais diversas frentes. Tem a duração de um dia e só acontece a cada dois anos por cada mercado onde atua o festival, já que o programa do curso requer que a Cidade do Rock esteja montada para que a experiência de aprendizagem seja imersiva e em tempo real.

O Rock in Rio InnovationWeek@LACS é um outro festival, de criatividade e inovação. É um palco para ideias, propostas e provocações nas mais diversas áreas que compõem o conceito de “communitivity” – a junção dos eixos “communication”, “community” e “creativity” identificados pelo RiR e pelo LACS como drivers fundamentais tanto do cluster criativo LACS como da semana de inovação. Rock in Rio Academy, Rock in Rio Innovation Week@LACS e o próprio festival Rock in Rio compõem o que chamamos de “Rock in Rio Ecosystem”, onde o organismo vital é a marca Rock in Rio, tendo como core o festival, mas que desdobra o seu propósito e valores para outras iniciativas nas áreas de Knowledge e Learning Experience. Ao “Rock in Rio Ecosystem” em breve juntar-se-ão um Programa de Aceleração, uma Plataforma de Publishing e um projeto de desenvolvimento de soft skills destinado ao público infanto-juvenil.

 

Fonte: PROMOVIEW

Deixe seu comentário