Gru e os Minions voltam às salas Cinemark no Festival Kids

Último fim de semana de ‘Meu Malvado Favorito 2’ em festival infantil. Ingressos já estão à venda no site e nas bilheterias.

Para quem ainda não conseguiu assistir a “Meu Malvado Favorito 2” nos cinemas, ainda há chance! Em seu último fim de semana na programação do Festival Kids, nos dias 18 e 19 de agosto, o filme segue em cartaz em todos os complexos da Rede.

O Gru e os Minions abriram a nova temporada do Festival Kids Cinemark – iniciada em 4 de agosto – realizado em parceria com a Universal Pictures e a Illumination Entertainment. As sessões ocorrem a partir das 11h, e os ingressos custam R$ 7 (meia) e R$ 14 (inteira). As entradas já podem ser adquiridas no site ou na bilheteria dos complexos participantes.

Além de “Meu Malvado Favorito 2”, também compõem esta temporada do Festival Kids os filmes “Sing: Quem Canta Seus Males Espanta” e “Minions”.

Confira a programação completa aqui: www.cinemark.com.br

Programação: 
Meu Malvado Favorito 2 – Dias 18 e 19 de agosto
Após deixar os tempos de vilania para trás, Gru dedica seus dias para cuidar das filhas Agnes, Margô e Edith. Devido ao seu passado, o ex-vilão é recrutado pela Liga Antivilões para salvar o mundo junto com a agente Lucy. Na continuação, a dupla precisa localizar o criminoso responsável pelo roubo da fórmula PX41 e o principal suspeito é o ex-concorrente de Gru, o vilão El Macho.

Serviço:
Datas: 18/8 e 19/8. Sábado e domingo, a partir das 11h, em todos os complexos da Cinemark.
Valor: R$ 7 (meia) a R$ 14 (inteira)

www.cinemark.com.br
cinemarkoficial

Fonte: Agência Febre [Cinemark] – Luriana Volpe – (11) 2769 3806.

Netflix testa novas fontes de receita com licenciamentos

Em parceria com marcas como Riachuelo, Hasbro e Funko, a plataforma começa a apostar em produtos físicos temáticos de suas séries

Karina Balan Julio
16 de agosto de 2018 – 10h00

Em 2018, a Netflix apareceu pela primeira vez no ranking “Best Global Brands”, da Interbrand, com valor de mercado avaliado em US$ 5,5 bilhões. Estima-se que a companhia está investindo US$ 8 bilhões em conteúdo original em 2018. Criar conteúdo audiovisual é caro e o mercado para serviços baseados em assinaturas está cada vez mais competitivo.  A Netflix, por sua vez, tem demonstrado que está começando a buscar novas fontes de receita no mundo físico, com produtos licenciados.

A Riachuelo é uma das primeiras marcas licenciadas para fazer produtos temáticos das séries da empresa no Brasil. Além da rede de fast fashion, a Netflix também já possui alguns produtos oficiais em parceria com marcas de brinquedo como Hasbro e Funko. Para as empresas de conteúdo streaming, os licenciamentos de produtos podem ser uma nova via de monetização para séries e filmes proprietários.

As séries La Casa de Papel, 3% e Stranger Things lançaram linhas de roupas com a Riachuelo. Foto: Divulgação

Para Daniella Bianchi, diretora-geral da Interbrand, embora a Netflix não divulgue seus resultados relativos ao mercao brasileiro, o investimento em licenciamentos é um indicativo de que a marca vê potencial na operação local para além do streaming. “É uma forma da marca se aproximar do público brasileiro, criar desejo e construir identificação. Nesse momento, no entanto, vejo esse movimento mais como uma iniciativa de construção de marca do que como um negócio em si”, afirma.

Lançadas este mês, as coleções da Riachuelo traz peças de roupa inspiradas nas séries “La Casa de Papel”, “3%” e “Stranger” Things. “Nossa equipe criativa recebeu uma imersão de informações sobre a marca e as séries. É um universo fascinante que permite transformar personagens, momentos e falas de uma série em produtos”, diz Julia Medeiros, gerente de licenciamentos da Riachuelo. A marca também avalia a possibilidade de produzir linhas de moda casa e acessórios licenciados das séries.

Monopoly versão “Stranger Things”. Foto: Reprodução

Desafios operacionais

Grandes empresas de conteúdo como a Netflix, no entanto, trazem desafios logísticos e de produção para os players envolvidos na cadeia de licenciamentos. Além disso, séries contam com janelas de exibição limitadas, o que exige muita organização para que os produtos cheguem às gôndolas no período em que uma série está em alta.

“Séries são conteúdos com uma jornada de vida mais curta, assim como muitos filmes, então os licenciados têm que estar muito coordenados com o timing da série, pois o tempo de comercialização deve ser antes e durante, e não depois que a série saiu do ar. O momento de maior demanda costuma ser durante a exibição”, avalia David Diesendruck, sócio-diretor da empresa de licenciamentos Redibra. A empresa lança este mês o RLab, um núcleo específico para o desenvolvimento de planos de negócio para projetos audiovisuais.

David pondera, no entanto, que o streaming ainda tem pouca penetração no mercado brasileiro, e que por isso é preciso que empresas do setor pensem muito bem na abrangência da série antes de criar linhas de produtos. “É preciso cuidado na hora de dimensionar a linha de produtos e pensar em quantidades de produção ou importação”, exemplifica.

Na opinião de Daniela, da Interbrand, o acesso ao streaming não é necessariamente um problema. “Em pouquíssimo tempo de existência aqui no Brasil, A Netflix conseguiu driblar as questões endêmicas e estruturais que ainda não permitem acesso de qualidade à internet para a maioria da população e conquistar a audiência com uma estratégia de marca simples, consistente, divertida e absolutamente interativa”, argumenta.

Funko da série Luke Cage. Foto: Reprodução

Ela ressalta, porém,  o desafio de escolher os parceiros corretos que sejam capazes de produzir produtos tão desejados quanto o conteúdo que a Netflix oferece em vídeo.

Na opinião de Júlia, da Riachuelo, transformar a paixão dos “fandoms” pelas séries em produtos tangíveis ajuda a complementar a estratégia de engajamento que estas marcas já fomentam no digital. “Os fãs são muito apaixonados, o que faz com que o retorno deles em relação às coleções licenciadas seja sempre muito caloroso. Em determinados lançamentos ligados a séries, já tivemos filas em lojas e site fora do ar devido ao grande número de acessos”, relembra, citando como exemplo linhas de sucesso como de Game of Thrones.

Fonte: Meio & Mensagem

Nickelodeon estreia prévia excIusiva de ‘O Despertar das Tartarugas Ninja’

Com visual totalmente repaginado, os famosos personagens ganharam novos traços e características 

April O’ Neil, grande parceira dos heróis, e agora, uma adolescente de 16 anos do Queens, está muito mais presente e ativa nas batalhas

O primeiro episódio vai ao ar no próximo sábado, 18 de agosto, às 18h30, pela primeira vez na TV

 Nick

São Paulo, agosto de 2018 – No próximo sábado, 18 de agosto, às 18h30, a Nickelodeon vai liberar a prévia exclusiva da primeira temporada de ‘O Despertar das Tartarugas Ninja’. Com um visual totalmente repaginado, os personagens estão com novos traços e características e, pela primeira vez, a melhor amiga dos heróis, April O’ Neil, aparece mais presente e ativa nas batalhas do grupo e surge, agora, como uma adolecente de 16 anos nascida no bairro do Queens.

Agora em 2D, Raph, Leo, Donnie e Mikey descobrem novos poderes e enfrentam um mundo místico que ainda não sabiam que existia sob as ruas de Nova York. Com novas aventuras, eles aproveitam para aperfeiçoar suas técnicas, enquanto lutam contra mutantes e vilões de diversas formas. Dessa maneira, os irmãos aprendem a trabalhar em conjunto e a desafiar os perigos que vêm pela frente e, assim, tornar-se uma grande equipe de heróis.

No episódio de lançamento desta primeira temporada, entitulado ‘Caos Místico’, As Tartarugas Ninja descobrem pela primeira vez que não são os seres mais diferentes da cidade. Com ajuda de April e de um cachorro mágico, eles não desistem até conseguir lutar contra o mal e defender a população dos vilões que desejam conquistar e dominar o mundo.

 

SOBRE AS TARTARUGAS NINJA

A reinvenção e a flexibilidade faz parte do DNA de ‘As Tartarugas Ninja’, propriedade clássica e global da Nickelodeon criada, em 1984, por Kevin Eastman e Peter Laird. Considerado um dos programas mais populares dos anos 80, ‘As Tartarugas Ninja’ estreou em forma de quadrinhos e, em seguida, tornou-se um grande sucesso na TV, ganhando passagem nos teatros e cinemas de todo o mundo. Além disso, a série se tornou uma marca global de produtos licenciados, incluindo brinquedos, roupas, videogames, DVDs e muito mais.

 

SERVIÇO – ‘O DESPERTAR DAS TARTARUGAS NINJA’

Classificação indicativa: LIVRE

Estreia: sábado, 18 de agosto, às 18h30.

 ***

A Viacom International Media Networks (VIMN) Américas é proprietária e opera um portfólio de diversas marcas de entretenimento que inclui MTV, MTV Live HD, Nickelodeon, Nick Jr., Comedy Central, Paramount Channel, Porta dos Fundos, Telefe, VH1, e seus respectivos canais em HD na América Latina (incluindo o Brasil). O portfólio da companhia inclui ainda a marca Tr3s, nos Estados Unidos, voltada a uma ampla audiência de norte-americanos hispânicos e os acordos de programação da VIMN no Canadá com a Corus Entertainment para Nickelodeon e Bell Media para MTV e Comedy Central. A VIMN também alcança um crescente número de consumidores conectados digitalmente por meio de seus múltiplos websites e sua vasta oferta de aplicativos móveis que incluem MTV Play, Comedy Central Play e Nick Play. Além disso, oferece produtos de conteúdo móvel diretamente ao consumidor, como Noggin, para crianças em idade pré-escolar e BET Play, aos fãs da cultura afro-americana.

 ***

Viacom International Media Networks (VIMN) Américas é proprietária e opera um portfólio de diversas marcas de entretenimento que inclui MTV, Nickelodeon, Nick Jr., Comedy Central, Paramount Channel, VH1, e seus respectivos canais em HD na América Latina (incluindo o Brasil). O portfólio da companhia inclui ainda a marca Tr3s, nos Estados Unidos, voltada a uma ampla audiência de norte-americanos hispânicos e os acordos de programação da VIMN no Canadá com a Corus Entertainment para Nickelodeon e Bell Media para MTV e Comedy Central. A VIMN também alcança um crescente número de consumidores conectados digitalmente por meio de seus múltiplos websites e sua vasta oferta de aplicativos móveis que incluem MTV Play, Comedy Central Play e Nick Play. Além disso, oferece produtos de conteúdo móvel diretamente ao consumidor como Noggin para crianças em idade pré-escolar e BET Play aos fãs da cultura afro-americana. Para mais informações sobre nossas marcas e negócios, nos siga no Twitter (@VIMNPrensa), canal em que divulgamos as últimas notícias, imagens e vídeos.

***

Informações para imprensa

Viacom Brasil

Natasha Novak – natasha.novak@viacombrasil.com

Felipe M. Reis – felipe.moraes@viacombrasil.com

 Fundamento RP

Thaisa Abreu – tabreu@fundamento.com.br – (55 11) 5095 3896

Ana Amaral – aamaral@fundamento.com.br – (55 11) 5095 3862

Segunda edição do concurso de cosplays no Geek City

Etapas diárias levarão a uma grande final nas categorias melhor cosplay, presença de palco e escolha do público. As inscrições já estão abertas e também poderão ser feitas no próprio evento

No Geek City, as atrações não estarão apenas no palco. Circulando pelo evento, você poderá encontrar gente de todo tipo, como Sora, Darth Vader, Sonic, Hera Venenosa, Batman, D.Va e até os Power Rangers, todos de olho nas novidades dos painéis, nos encontros com artistas e conhecendo as novidades dos games, entretenimento e tecnologia. De quebra, todos ainda podem concorrer a mais de R$ 2,4 mil em prêmios.

Mais uma vez, o evento realizará o seu já tradicional concurso de cosplays, com etapas diárias que vão culminar em uma grande final, valendo o troféu de melhor do Geek City e, ainda, garantindo um televisor LED de 32 polegadas para o vencedor. As inscrições estão abertas até o dia 27 de agosto, mas os atrasadinhos também poderão fazer isso no próprio evento, garantindo sua participação em ordem de chegada e de acordo com as vagas disponíveis.

As fases acontecerão nos três dias de Geek City, a partir das 20h, no palco principal. Cada participante terá 30 segundos para se apresentar, fazendo poses e reproduzindo falas ou ações diante da comissão julgadora, que avaliará não apenas a qualidade e semelhança do cosplay em si com o personagem selecionado, mas também a presença do intérprete. A resposta do público também será levada em conta e aqueles que mais movimentarem a galera receberão prêmios.

Ao final de cada dia, os selecionados como melhor cosplay, melhor presença de palco e a escolha do público levam um kit do Geek City com camiseta e botton do evento. Além disso, garantem a participação na grande final, que acontece no domingo, 02 de setembro, valendo não apenas o prêmio principal, mas também o das outras categorias.

O melhor cosplay do Geek City na categoria presença de palco leva para casa um troféu e uma caixa de som Bluetooth JBL. Já o escolhido pelo público também terá uma taça para chamar de sua e colocar na estante ao lado de um console Atari Flashback, da Tectoy.

Mais do que vestir, viver
As diferentes categorias do concurso do Geek City fazem sentido, afinal de contas, ser cosplayer é mais do que, apenas, se fantasiar como alguém do mundo do entretenimento. É preciso realmente pensar como o interpretado, assumir seus trejeitos, suas falas e até o caráter heroico ou vilanesco dos protagonistas.

Essa, inclusive, é a principal dica dada por Eve Ortiz, cosplayer há oito anos e uma das finalistas do concurso de cosplays no Geek City 2017, no qual interpretou Tempestade, dos X-Men. “Cosplay não é só usar uma roupa, mas também vestir o próprio personagem. É preciso interpretar para que o resultado fique realmente bom”, explica ela, que já foi nomes como Harley Quinn, de Esquadrão Suicida, e Vampira, também do grupo de mutantes da Marvel, que cita como seus preferidos.

Para 2018, entretanto, ela vem apenas com novidades e, claro, surge como grande competidora. Ortiz faz segredo sobre suas escolhas para este ano, mas adianta que uma delas será Gamora, de Guardiões da Galáxia. Os outros cosplays, entretanto, são mistérios que somente poderão ser descobertos no palco do Geek City.

Já Cristian Boomer, o vencedor do ano passado com seu cosplay de Yondu Udonta, também de Guardiões da Galáxia, não deve participar neste ano. Muito pelo contrário, sua vontade é de ver um novo campeão no concurso de cosplays do Geek City 2018. “Quero que outras pessoas sintam o mesmo que eu, no ano passado. Adoraria poder ‘passar a coroa’ para um novo vencedor”, afirma.

Em entrevista, ele afirmou que não esperava o sucesso obtido em 2017 e que se inscreveu em cima da hora. “Fiquei muito feliz por ter ganhado, mas só fui entender bem o que havia acontecido quando vi o prêmio e o troféu em meu quarto. Acho que comemorei a vitória tanto no dia do evento quanto no seguinte”, lembra o cosplayer.

Para quem deseja conseguir o resultado maior no Geek City, então, Boomer dá algumas dicas e pede atenção especial ao acabamento do cosplay, bem como na hora de escolher um cosmaker para o preparo do figurino. “O mais importante é viver seu personagem no palco e se divertir muito durante o evento, acima de tudo”, completa.

O campeão não estará no concurso deste ano, mas isso não significa que ele não poderá ser visto no evento. Muito pelo contrário, Boomer vai aproveitar sua ausência na competição para vestir cosplays mais confortáveis, como o de Leeloo Dallas “Multipass”, de O Quinto Elemento, e Shang-Tsung, de Mortal Kombat 3. “São muitas opções e dúvidas sobre quais escolher”, completa Boomer, lembrando também dos primeiros figurinos que fez na vida, há doze anos – Sub-Zero ou Mileena, também do game de luta.

As inscrições prévias para o concurso de cosplays podem ser feitas até o dia 24 de agosto no site oficial do evento, www.geekcity.com.br. Depois desta data, os interessados poderão se registrar, em ordem de chegada, no dia em que desejar participar, mas é melhor correr, pois as vagas são limitadas. A inscrição não garante acesso e é preciso ter um ingresso ou credencial para participar.

O Geek City é o maior evento de tecnologia e entretenimento do Sul do país, marcado para acontecer em 31 de agosto, 1 e 2 de setembro. Ao longo de três dias, os fanáticos por cinema, séries, games e quadrinhos terão acesso em primeira mão a tudo o que acontece de melhor nesse mercado, conferindo painéis sobre os mais variados temas, torcendo em torneios de jogos competitivos, encontrando criadores de conteúdo e vendo personalidades bem de perto.

Para a edição 2018, uma das principais presenças será a de Carlos Villagrán, o Kiko, que fará sua despedida do personagem na capital paranaense. Também estarão na cidade os elencos do Porta dos Fundos e Choque de Cultura, dois fenômenos do humor na internet brasileira, e o dublador Guilherme Briggs, além de um painel sobre a adaptação cinematográfica da HQ nacional O Doutrinador.

SERVIÇO 
GEEK CITY
Data: De 31 de agosto a 2 de setembro de 2018
Local: Expo Renault Barigui (Rua Batista Ganz, 430, Curitiba / PR)
Ingressos: R$ 55 para sexta (31/08); R$ 65 para sábado e domingo (01 e 02/09); R$ 150 pelo passaporte para os três dias, que dá direito a credencial colecionável
Site Oficial: www.geekcity.com.br
Redes social: Facebook /geekcityoficial | Instagram @geekcityoficial | Twitter @geekcityoficial
Realização: Seven Entretenimento

Fonte: Excom – Felipe Demartini e Anna Carolina Amaral  – (41) 3523-0768.

Hello Kitty ganha coleção da Converse

Colaboração celebra a originalidade das duas marcas icônicas

A Sanrio, criadora e licenciadora de diversos personagens, e a Converse, marca de calçados e roupas reconhecida internacionalmente, se uniram para criar a Hello Kitty x Converse, uma coleção de calçados, roupas esportivas e acessórios para fãs de todas as idades da querida personagem.

A colaboração combina de forma única e marcante a essência dessas duas marcas icônicas que celebram a originalidade. O lançamento mundial será feito no dia 16 de agosto, porém por enquanto a coleção ainda não estará disponível para venda no Brasil.

A coleção traz três dos mais famosos modelos da Converse – Chuck Taylor All Star, Chuck 70 e One Star – personalizados especialmente para agradar a todos os fãs das duas marcas. Os calçados são unissex, com estampas personalizadas, revestimento estampado de bolinhas e com um conjunto extra de cadarços feitos com estampa da Hello Kitty.

Sobre a Sanrio – A Sanrio é criadora e licenciadora de personagens nos mais diversos segmentos, como presentes, papelaria, confecção, calçados, brinquedos, acessórios, alimentos, entre outros. A empresa, criadora da personagem Hello Kitty, ícone da cultura japonesa no mundo todo e adorada por pessoas de todas as idades, foi fundada em 1960 com base no conceito “Small Gift, Big Smile”, traduzindo a ideia de que um pequeno presente pode trazer um grande sorriso. Nos últimos anos a empresa criou também o personagem Gudetama, um adorável e preguiçoso ovo que adora ficar balançando em sua casca, deitado e coberto por seu cobertor de bacon, ou simplesmente espreguiçado em sua clara.

 

Outro recente sucesso da empresa é a série Aggretsuko, que conta a história da personagem Retsuko, uma panda vermelha de 25 anos de idade que trabalha no departamento de contabilidade de uma grande empresa comercial em Tóquio e canta death metal em sessões de karaokê para aliviar a tensão e o estresse. A Sanrio possui cerca de 50 mil produtos que são comercializados em mais de 100 países. Presente na América do Sul desde 1999, a empresa conta com mais de 80 empresas licenciadas no Brasil.

Mais informações em www.sanrio.com.br

Fonte: Dezoito Comunicação – Aline Ribeiro.

Campeão de Audiência e Patrocínio

 
Fogaça, Paola, Jacquin, Ana Paula, Ambrósio, Cris e Patrício Díaz

Carrefour, Camil, Cacau Show, Pomarola, Itaipava, Sky, Café Três Corações, Tim, Omo e CIF, estas duas marcas da Unilever, são os patrocinadores master da terceira temporada do MasterChef Profissionais, que começa na próxima terça-feira (21) e termina apenas em dezembro.

Cada uma foi comercializada pela TV Band por cerca de R$ 4 milhões.

Além dessas marcas, o programa conta ainda com a participação de Barilla, Etna, Azeite Gallo, UOL e algumas vinícolas do sul do país, em forma de merchandising. Nesses casos, as cotas variam entre R$ 1 milhão e R$ 2 milhões.

E quem também comemora o sucesso do reality show culinário é a Endemol Shine Brasil, dona do formato e que já tem o MasterChef como sua principal fonte de licenciamento de produtos, respondendo por 10% dessa área da empresa.

Coproduzido pela Band e Discoverty Home & Health, o programa alcança uma medida de 5 pontos de audiência e picos de 7,2 na TV, embora seja ainda assistido em diversas outras plataformas.

Com isso, embora mantenha seus números nas pesquisas de audiência, aumenta consideravelmente sua receita a cada nova edição.

Cris Moreira, que assumiu a direção Comercial da Band há apenas 20 anos, comemora sua chegada à emissora com um dos programas mais rentáveis da casa.

“O MasterChef já faz parte do dia a dia das pessoas, que comentam as vitórias, as eliminações, as provas e os pratos nas redes sociais ou na conversa com os amigos”, diz Moreira, que antes respondia pela direção Comercial da Record no interior de São Paulo, baseado em Campinas.

Apresentado por Ana Paula Padrão, a atração mantém a trica de jurados que consagrou o MasterChef, formada por Paola Carosella, Henrique Fogaça e Erick Jacquin, equipe ligada à diretoria artística e de conteúdo, comandada por José Emílio Ambrosio.

Conforme o diretor da atração, Patricio “Pato” Díaz, a novidade desta edição da competição é a separação dos candidatos por habilidades, promovendo embates de comida italiana, regional, vegetariana e confeitaria.

Ele revela também nesta temporada vai acontecer a maior prova da história do MasterChef, com 350 pessoas no jogo das estrelas da NBB, e uma prova desafiadora de se cozinhar no meio da natureza, sem equipamentos, com ingredientes locais e com os candidatos tendo inclusive de acender seu próprio fogo.

LICENSING

Estação MasterChef Júnior em shopping center

“Já é a marca mais importante da nossa área de Licenciamento”, garante Juliana Algarañaz, diretora geral da Endemol Shine Brasil.

Ela conta que já são 230 produtos licenciados com a marca, a maioria ligados à gastronomia, mas que os projetos também vão de ovo de granja até experiências em shopping centers e cruzeiro de navios.

Aliás, Juliana foi quem intensificou o projeto de expansão da área de Licensing na Endemol brasileira.

Recentemente, ampliou a equipe com a contratação dos executivos Renato Martinez como Content Sales Director, Nelson Rosa como Licensing Commercial e Rubens Ajzenberg como Brand Solutions.

Outras marcas de sucesso nessa divisão da empresa são Simon’s Cat e Black Mirror, lançados ainda em 2017.

Fonte: Blog do Adonis

Rider lança sandálias PlayStation

Rider lança sandálias PlayStation

Dando continuidade à recém-firmada parceria com a Sony Interactive Entertainment America (SIEA), a Grendene lança em setembro a coleção de sandálias Rider + PlayStaion.

A marca Rider, que tem o objetivo de desenvolver produtos voltados a amantes de diversos universos, encontrou na marca Playstation a perfeita união para alcançar o público gamer.

Rider + Playstation será lançado no modelo Jam, um clássico da marca que se destaca pela maciez e anatomia da palmilha, acomodando perfeitamente o pé. A linha tem como diferencial as tiras ajustáveis, que garantem maior conforto. As estampas têm os símbolos icônicos de PlayStation e os botões do controle DualShock num fundo que remete ao ambiente virtual dos jogos.

 

Cada par terá como brinde um chaveiro do controle feito em plastisol. A coleção estará disponível na loja online (www.lojarider.com.br) e nas lojas físicas de todo o País a partir de setembro.

No início de agosto, a marca Grendene Kids lançou as sandálias voltadas para o público infantil.

Leia mais:

Grendene Kids lança sandálias licenciadas PlayStation

#209_PLAYSTATION_RIDER_SÍMBOLOS_#PSB_002

#209_PLAYSTATION_RIDER_SÍMBOLOS_#PSB_002

11437 RIDER RIDER PLAYSTATION_LATERAL_2.
NÃO_EXISTE_GAME_OVER_BRANCO_LOGOS_MENORE

Fonte: Vertical Licensing

 

Redibra lança RLab, incubadora para projetos audiovisuais

Com iniciativa, agência de licenciamento de marcas leva seu expertise aos novos produtores nacionais de conteúdo e apresenta Boris & Rufus

A Redibra, agência de licenciamento e extensão de marcas, está lançando o RLab, incubadora que tem como objetivo auxiliar a nova e promissora safra de projetos que estão surgindo no mercado audiovisual brasileiro, orientando no desenvolvimento do plano de licenciamento nacional e internacional para monetização de seu conteúdo. Pioneira no país, a Redibra é responsável por cases do licensing nacional, como Capricho, Show da Luna e Galinha Pintadinha.

Com a vasta experiência de David Diesendruck, sócio-diretor da Redibra, o RLab se habilita para ir atrás deste projeto e contribuir com os criativos animadores brasileiros. Durante cinco anos, ele trabalhou com o licenciamento da Disney, na sede em Los Angeles, enquanto fez o lançamento de Rei Leão e percorreu o mundo. Além disso, depois que retornou ao Brasil sempre teve em seu portfólio cases de personagens nacionais. Por meio do trabalho de Diesendruck, a Galinha Pintadinha também viajou para países da América Latina, Estados Unidos e Espanha, sendo reconhecida internacionalmente.

O RLab pretende liderar o desenvolvimento de iniciativas de extensão de marca e estimular a transformação do licenciamento tradicional para um novo modelo de negócios, por meio de uma mentoria estratégica que vai potencializar novos players e seus produtos. O movimento está em linha com outras instituições que investem em startups e ideias disruptivas“, explica Diesendruck.

A animação brasileira Boris e Rufus, produzida pela Belli Studio, de Blumenau-SC, é o primeiro projeto do RLab. A série conta as aventuras do cachorro Boris e o furão Rufus e foi criada por Filipe Cargnin e Elisa Baasch. Ambos vivem no quintal do adolescente Enzo, cuja vizinha Jennifer é dona do gato Leopoldo. Todos os personagens passam a ter atitudes humanas quando seus donos saem de casa. Eles acessam diariamente a interpetnet e outras tecnologias e vivenciam diversas aventuras. “Boris e Rufus é uma série disruptiva, que mescla descontração, amizade, tecnologias e fantásticas situações. A melhor forma de tornarmos essa produção uma marca é contarmos com parcerias que tenham este olhar diferenciado ao material e, por isso, contamos com o RLab“, afirma a produtora executiva da Belli Studio, Aline Belli.

A parceria é de suma importância, pois trará à nossa marca uma gestão end-to-end com o expertise que só a Redibra pode oferecer, aumentando a visibilidade dos nossos personagens e contribuindo com a valorização do conteúdo audiovisual produzido no Brasil”, completa Filipe.

O RLab tem sede dentro da Redibra (São Paulo-SP) e vai oferecer a mesma gestão abrangente que atende aos parceiros da empresa-mãe com pesquisa de tendências de mercado, desenvolvimento de produtos, ativações no varejo, monitoramento dos royalties e contratos. Atualmente, a lista de marcas licenciadas pela Redibra inclui Chevrolet, Capricho, Boa Forma, Os Simpsons, Super Mario Bros., Galinha Pintadinha, Show da Luna e Coca-Cola.

Temos talento no Brasil para cases de sucesso global. Queremos compartilhar nossa experiência e rede de relacionamento, dentro e fora do País, para incubar e acelerar projetos que a acreditamos ter este potencial“, finaliza David.

Fonte: NR-7 Comunicação – Fernanda Uehara e Nelson Rodrigues – (11) 2344-9100.

Snoopy e Charlie Brown Invadem a Pernambucanas

Com Roupas e Pijamas

Snoopy e Charlie Brown Invadem a Pernambucanas

14/08/2018

Com Roupas e Pijamas
A varejista Pernambucanas lançou ontem (13), em todas as lojas, uma nova linha de peças de cama, banho, pijamas e roupas inspiradas nos personagens Charlie Brown e Snoopy, além disso, Lucy, Linus e o passarinho Woodstock também aparecem estampados nos produtos. Nas seções de pijamas femininos adulto, a Pernambucanas oferece camisolas e conjuntos a partir de R$ 39,99. Já para as crianças, a varejista conta com vestidos a partir de R$ 39,99, camisetas por R$ 19,99 e roupão por R$ 79,99. Os produtos também estão sendo comercializados no site da rede.
Fonte: Gironews

Noite no Museu: À La Garçonne mostra seu streetwear de luxo no Masp

Estilista da marca, Herchcovitch mistura clubbers, darks, fetiche e personagens de terror no desfile que acontece nesta segunda, 13 

Frankenstein estará presente. Sua noiva, a Múmia e Drácula também. Assim como clubbers, darks, góticos e ravers, personagens noturnos que embalam o mix de referências da nova coleção da À La Garçonne, que desfila no mezanino do Masp na manhã desta segunda, 13.

É a coleção 02-2018 da marca, que tem Alexandre Herchcovitch como estilista e diretor de novos negócios ao lado do marido Fábio Souza no papel de diretor criativo – eles aboliram a tradicional separação por estações (primavera/verão e outono/inverno) da sua estratégia. “É nossa coleção mais elaborada”, diz Alexandre. “É mais pensada e mais madura”, completa Fábio. Isso deve aparecer no estilo e no design das roupas, boa parte delas desenvolvidas em parceria com marcas líderes em seus respectivos segmentos, como a grife de workwear Dickies, por exemplo. “Entramos um pouco mais fundo nas customizações, desfizemos costuras, abrimos a modelagem, recortamos e montamos outras roupas”, explica Alexandre. “Parece que ela foi feita do zero, mas ela é remontada.”

Serão apresentados 70 looks, parte deles trazendo vampiros, múmias e outros monstros de filmes de terror dos anos 20 do acervo da Universal, apresentados por muitos não modelos, escalados por Fábio de diferentes lugares do Brasil. “Queria explorar outros tipos de beleza, busquei pessoas com muita personalidade, é um casting colorido, com figuras fora do padrão”, conta ele.

É a diversidade das ruas embalando o streetwear de luxo da grife, um segmento em voga na moda de todo o mundo (especialmente nas marcas sensação, como Off-White, Vetements e Supreme). Em termos de estilo, isso se traduz em jeans, camisetas e moletons em tiragem limitada, peças vintage pintadas à mão, peças de alfaiataria modernizadas, muitos tênis e, agora, Melissas.

Num pit-stop para o almoço entre uma prova de roupa e outra, Alexandre e Fábio contam mais de sua moda, suas aspirações e da grife aEstado.

É o segundo desfile da marca no Masp…

Alexandre. Nossa ideia era ter feito uma trilogia, mas eles não tinham espaço. Quando tem exposição por lá, a gente não consegue encaixar desfile. Dessa vez deu.

Tem um tema essa coleção?

Alexandre. Tem uma inspiração bastante noturna.

Clubber?

Alexandre. Tem também. Alguém te falou?

Não! (risos)

Fábio.  É um misto de coisas. Tem vários monstros…

Alexandre.  Tem todo tipo de underwear e lingerie, desde uma underwear branca de algodão, aquelas cuecas que a gente usa, até uma lingerie noite, fetiche. E tem movimentos de noite: dark, punk, gótico, raver, clubber… Entraram todos, é bem misturadão.

E os monstros?

Alexandre. Eles dão um arremate nessa coisa de noite. Seguindo o trabalho que estamos fazendo com a Universal, desta vez teremos todos os monstros dos anos 1920 do cinema. O primeiro DráculaMúmia, Frankenstein, A Noiva do Frankenstein e outros filmes dos anos 1920.

No que essa coleção difere das últimas?

Alexandre.  É mais elaborada…

Fábio.  Mais pensada e mais madura.

Em termos de design?

Alexandre.  Design, acabamento… A gente tem Dickies com mais visibilidade, por exemplo. Entramos mais fundo nas customizações, não só nas pinturas. Desfizemos as costuras todas, abrimos a modelagem, sobraram pedaços de tecido, a gente recortou, montou outras roupas. Parece feita do zero, nem dá para perceber que aquela roupa foi remontada.

Fábio.  Essa coleção é mais pensada porque a gente tem surpresas para antes do final do ano. Nosso foco é exportação, mas com essa novidade é ficar no mercado interno…

Você quer crescer o negócio?

Fábio. O atacado não é meu foco, a À La Garçonne não quer ser gigante.

Alexandre. A gente não consegue pela dificuldade de fazer a roupa. Mesmo as que são fáceis de fabricar, não têm muito. Na loja, temos uma variedade grande e um estoque pequeno de cada peça para manter a exclusividade para quem compra. É outro raciocínio.

É uma lógica desse novo streetwear, de luxo.  

Alexandre.  Que eu adoro fazer. Sempre gostei e acho que dá para exercer bem na À La Garçonne, isso fica cada vez mais evidente. E é bom porque estamos numa época de consumo disso, o que acho ótimo, libertador, com matérias primas que não são de luxo mas viram luxo, como moletons e coisas do gênero.

Como são as Melissas que vocês vão lançar na apresentação?

Alexandre.  Tem um chinelo e uma sandália com as cordas [marca registrada da grife], e uma réplica de um modelo creeper [um sapato com solado pesado]. Vamos fazer com numeração estendida até o 44.

A escalação de modelos para este desfile é diferente. Foi você quem cuidou, né, Fábio?

Fábio.  Sempre fico de olho, em busca de outras belezas. Desta vez tem muitas pessoas que não são modelos. O rosto da coleção, as pessoas com maior visibilidade, não foram vistas ainda. A que abre o desfile por exemplo chama Mallu (Damasceno). Ela é minha cliente. Trouxe um menino do interior do Piauí, que é professor particular de crianças.

Que tipo de perfil exatamente você buscava?

Fábio.  Não são belezas óbvias, são pessoas com muita personalidade, interessantes .

São estilos bastante diversos…

Fábio.  Tem um pouco dessas figuras “fora do padrão”. Sempre temos transgêneros, meninos ou meninas que não se identificam com o próprio sexo, mas que também não querem trocar. É um  casting colorido. É importante representar as pessoas como elas querem ser vistas. Às vezes você não é aceito nem na sua casa… Há duas coleções eu abri o desfile com uma modelo que havia sido expulsa de casa porque era homossexual. Ela passou de uma modelo do meio para abrir o desfile. É uma bandeira que eu sempre levanto.

Fonte: Universal