Daniele Lepido

04/11/2019 18h01

(Bloomberg) — A Ferrari pretende avançar no mercado de luxo para seus acessórios. A fabricante de supercarros está se unido a outro ícone da Itália, a Giorgio Armani, para ajudar a empurrar suas roupas e malas para o segmento de maior preço.

O presidente Louis Camilleri tenta atingir o objetivo de longa data de seu antecessor Sergio Marchionne, falecido em 2018: transformar a Ferrari em uma marca de luxo completa. Depois de elevar a projeção para faturamento e lucro em 2019, a empresa informou na segunda-feira que, nos próximos sete a dez anos, os produtos de marca devem representar 10% dos lucros antes de juros e impostos.

A nova postura da Ferrari significa que itens como jaquetas e óculos de sol terão preços premium, mais alinhados à imagem dos carros esportivos que podem custar mais de US$ 1 milhão, segundo pessoas familiarizadas com o processo.

“Nossos produtos atuais são muito amplos e correm o perigo de diluir o preciosíssimo valor da nossa marca”, disse Camilleri em teleconferência com analistas.

Há muito tempo, a Ferrari oferece camisas polo e malas de viagem em shopping centers e aeroportos, permitindo que os fãs levem um pedaço da marca por uma fração do preço.

Embora esse tipo de merchandising possa reforçar a marca, o foco em relógios de US$ 150 e bonés de US$ 30 pode arranhar a imagem de exclusividade.

“Reduziremos nossos acordos de licenciamento atuais em aproximadamente 50%”, disse o CEO. “Também vamos eliminar cerca de 30% das categorias de produtos nas quais participamos.”

A reputação da Ferrari pela engenharia de alto nível pode fazer de categorias mais técnicas ? como relógios e óculos ? um alvo lógico para sua nova estratégia.

A Armani tentou reorientar sua imagem de luxo por meio do maior controle, recompra da licença para vestuário de rápida fabricação e descarte (fast fashion) sob a bandeira Armani Exchange e suspensão das linhas vendidas em lojas de departamentos de preço médio. No entanto, não há expectativa de retomada do crescimento das vendas até o próximo ano.

Destaques do Balanço Trimestral da Ferrari:

  • As vendas subiram 9% no terceiro trimestre para 2.474 unidades. Embora o aumento tenha sido menor que a expansão de 13% apurada nos primeiros nove meses do ano, a montadora começou a entregar os modelos mais caros Monza SP1 e SP2;
  • A Ferrari está batendo recorde de renovações este ano, após o lançamento de dois automóveis novos em setembro. A companhia também planeja lançar um novo supercarro em Roma no dia 14 de novembro, segundo pessoas familiarizadas com o assunto;
  • O lucro ajustado antes de juros, impostos, depreciação e amortização aumentou 11% para 311 milhões de euros, superando a estimativa média de analistas, de 296,4 milhões de euros;
  • As ações da montadora sediada em Maranello chegaram a subir 7,4%, com investidores comemorando o resultado trimestral acima das expectativas.

–Com a colaboração de Robert Williams.

Fonte: Economia Uol