O cartunista que ajudou a alfabetizar gerações de crianças conta como pais podem se inspirar nos próprios filhos para criar negócios

O cartunista Maurício de Sousa, 85, é um dos pais empreendedores mais famosos do Brasil. Ao longo das últimas seis décadas, ele não só construiu um império de histórias em quadrinhos, que são reconhecidas em todo o Brasil e em diversos outros países pelo mundo, como transformou seus próprios filhos em personagens cativantes e que fazem sucesso geração após geração.

Ainda no início dos anos 1960, quando Maurício já fazia sucesso com suas tirinhas, com personagens como Franjinha e Cebolinha, inspirados em sua própria infância, ele foi questionado sobre a ausência de personagens femininas nas histórias. Então, ele se baseou em sua própria filha, Mônica Sousa, para criar a personagem Mônica, que viria a assumir o posto de protagonista, anos depois. Mais tarde, outros filhos serviram como base para novos personagens, como Magali, Maria Cebolinha, Marina, Nimbus, Vanda e Valéria, entre outros.

Maurício teve dez filhos – um deles, Maurício Spada e Sousa, faleceu em 2016. Além de serem fonte de inspiração para o seu trabalho, muitos acabaram fazendo parte da vida profissional do empresário, assumindo posições dentro da Maurício de Sousa Produções: Mônica Sousa é diretora comercial, Mauro Sousa é o diretor da Maurício Ao Vivo, que cuida dos parques, shows com personagens e eventos, Marina Sousa é diretora de conteúdo e cuida da equipe de roteiristas e Vanda Signorelli e Sousa trabalha com projetos especiais.

Da esq. para a dir.: Maurício Takeda e Sousa, Mauro Sousa (atrás), Marina Sousa Cameron, Mônica Sousa, Marcelo Pereira de Sousa (atrás), Magali Spada e Sousa, Vanda Signorelli e Sousa, Mauricio Spada e Sousa (atrás, já falecido), Mariângela Spada e Sousa, Valéria Signorelli e Sousa, e Mauricio de Sousa, sentado ao centro (Foto: Divulgação / MSP)
Da esq. para a dir.: Maurício Takeda e Sousa, Mauro Sousa (atrás), Marina Sousa Cameron, Mônica Sousa, Marcelo Pereira de Sousa (atrás), Magali Spada e Sousa, Vanda Signorelli e Sousa, Mauricio Spada e Sousa (atrás, já falecido), Mariângela Spada e Sousa, Valéria Signorelli e Sousa, e Mauricio de Sousa, sentado ao centro (Foto: Divulgação / MSP)

“Os que se interessaram por alguma área da empresa foram se encaixando e para minha alegria todos são ótimos no que se propuseram fazer. E agora também chegam os netos, como o Marcos, filho da Mônica, na área de produção cinematográfica”, diz Maurício.

Atualmente, a empresa tem contrato de licenciamento da Turma da Mônica com mais de 150 empresas, que produzem 4 mil itens com as imagens dos personagens. A MSP calcula já ter vendido mais de 1,2 bilhão de revistas, em mais de 300 títulos, mas também já tem números grandes no mundo digital: o canal no YouTube soma 9,9 bilhões de visualizações – puxado principalmente por Mônica Toy, febre entre os pequenos. As redes sociais também acumulam milhões de seguidores. Em 2019, foi aberta uma subsidiária no Japão, a Maurício de Sousa Productions – Japan.

O pai da turma mais famosa do Brasil concedeu uma entrevista a PEGN para falar sobre os benefícios e desafios de empreender tendo como ponto de partida a própria paternidade. Confira:

Você empreendeu criando personagens baseados em seus próprios filhos, que encantam gerações. Como é essa experiência?
Meus dez filhos me ajudaram a dar vida a essa turminha não só me inspirando a criar personagens baseados neles, mas também me ajudando a falar com cada geração que chegava. Assim, eu fiquei próximo da linguagem da hora e da vez. E aos poucos, naturalmente, alguns deles vieram trabalhar comigo. Meus filhos têm uma parte importante nessa minha empreitada.

Ao longo de décadas, a Turma da Mônica serve como apoio na alfabetização e entretenimento de gerações de filhos. Como você vê isso?
Quando dou palestra ou vou a eventos, costumo perguntar logo de início para a plateia “quem aqui aprendeu a ler com as revistas da Turma da Mônica?”, e vejo todos levantarem as mãos. Nesses momentos vejo que nossas histórias estimulam a alfabetização de milhões de crianças e estimulam a leitura. Isso aconteceu comigo, que tinha meus quatro anos de idade quando pedi para minha mãe me ensinar a ler, para poder ler sozinho os gibis que meu pai trazia. Com cinco anos já lia correntemente.

Maurício de Sousa com a equipe da Maurício de Sousa Produções (Foto: Divulgação / MSP)
Maurício de Sousa com a equipe da Maurício de Sousa Produções (Foto: Divulgação / MSP)

Quais as vantagens de empreender com o mundo infantil, tendo como base um público que pode ajudá-lo a testar a aceitação em casa? O que recomendaria a pais que vivem isso atualmente?
Quem trabalha na criação de historinhas como eu deve produzir algo que possa mostrar para os filhos. Mas hoje, com a internet e novos caminhos da tecnologia, resta-nos a responsabilidade de guiar nossas crianças pelos caminhos do entendimento, do respeito e da ética.

Quem empreende com quadrinhos precisa superar quais desafios no Brasil?
Teremos sempre um bom mercado para quadrinhos se trouxermos constantemente novidades com criatividade e humor. Nunca podemos nos acomodar. Por isso lançamos a Turma da Mônica Jovem para as “crianças crescidas”, já na pré-adolescência; e a nossa linha das graphic novels MSP para o jovem leitor. Para um público infantil também lançamos as animações da Mônica Toy, que é o nosso sucesso mundial.

Que recado você deixaria para quem pretende empreender na indústria criativa?
Não é fácil manter uma área de indústria criativa. Principalmente durante mais de 60 anos, como é o caso da Mauricio de Sousa Produções. Mas, como nosso próprio caso demonstra, não é impossível. Basta um sonho bem sonhado, mantido vivo, cercado de estudos e uma boa equipe. Ah, e com o máximo respeito com a sua mão de obra.

Fonte: PEGN.Globo