Maya Angelou ganha versão da Barbie, em mais uma homenagem. (Mattel/Divulgação)

Maya Angelou batalhou e conquistou muito em sua vida. Foi a primeira mulher negra roteirista e diretora em Hollywood, foi atriz e cantora, amiga de Malcom X e Martin Luther King, e com eles atuou nos movimentos civis americanos. Com um currículo extenso, que inclui ainda jornalista, escritora, e professora, foi nomeada ao prêmio Pulitzer, recebeu a medalha presidencial da liberdade de Barack Obama e a medalha nacional de artes de Bill Clinton. Angelou faleceu em 2014, mas acaba de ser homenageada pela Mattel, que anunciou que Angelou terá sua versão com uma boneca Barbie.

A nova Barbie fará parte da série Mulheres inspiradoras ao lado de outros ícones femininos, como Rosa Parks, Frida Kahlo, Amelia Earhart e Florence Nightingale. Na versão boneca, Angelou usa um turbante, vestido floral, pulseiras douradas.

A boneca carrega o livro Eu Sei Por Que O Pássaro Canta Na Gaiola, autobiografia de Angelou lançada em 1969. A Mattel descreveu o livro como “um relato emocionante sobre como superar adversidades em sua infância” e destacou como Maya foi a primeira afro-americana a discursar e declamar uma poesia em uma posse presidencial, em 1993, na posse de Bill Clinton. “Foi uma homenagem notável ao seu legado literário e chamou a atenção mundial para seu conjunto de obras”, disse a Mattel em comunicado.

A marca de brinquedos afirmou ainda que a boneca foi “esculpida à semelhança da Dra. Angelou”, e a descreveu como uma “adição adequada” à linha, que tem como objetivo celebrar “as mulheres que assumiram riscos, mudaram regras e abriram caminho para que gerações de meninas sonhassem mais do que nunca”.

O filho de Maya, Guy Johnson, disse ao site Today, que se sente honrado por sua mãe ter sido escolhida em uma linha de inspirações para garotas, e espera que a boneca “inspire novas gerações de professores, escritores e ativistas”.

Com a autobiografia em mãos, a versão Barbie de Maya Angelou possui as feições da escritora e ativista. (Mattel/Divulgação)

“Minha mãe, Dra. Maya Angelou, foi uma pioneira e uma ativista com um espírito invencível pela justiça”, disse Guy. “Por meio de suas palavras e ações, ela desenvolveu uma capacidade única de criar conexões profundas com pessoas ao redor do mundo. Ela costumava dizer: ‘Eu escrevo da perspectiva dos negros, mas tenho como objetivo o coração humano.’”

A Mattel se comprometeu a lançar bonecas fora do padrão eurocêntrico, atingindo mais da metade de seus produtos. A marca disse ainda “que as experiências da primeira infância das crianças moldam o que elas imaginam ser possível, por isso é importante que todas as meninas não apenas se vejam refletidas no produto e no conteúdo mas também vejam modelos que vieram antes delas”. A boneca Angelou custa 29 dólares e já está esgotada na pré-venda da Mattel.

Fonte: Exame