Todos os posts da categoria: Notícias
24out
O jogos dos influenciadores
NotíciasDeixe um comentário

A ascensão de influenciadores mostra a capacidade desse novo ecossistema na projeção de personagens globais, seja na posição de streamer (jogadores que transmitem seus jogos ao vivo), pró-players (jogadores profissionais que disputam competições oficiais) ou apenas criadores de conteúdo sobre games

Por Amanda Schnaider e Renato Rogenski

Em 6 de março, milhares de torcedores se espremiam no Estádio Parque dos Príncipes, em Paris, para acompanhar a partida de futebol entre Paris Saint-Germain e Manchester United, que valia a classificação para a próxima fase da Uefa Champions League. Enquanto isso, nas arquibancadas, os holofotes estavam em Neymar que, fora de combate por lesão, tietava o streamer Tyler Blevins, estrela do jogo Fortnite. Quem se surpreendeu com a cena provavelmente não sabia que o atacante brasileiro do PSG é só mais um fã entre os milhões que Ninja, como é conhecido, tem pelo mundo. Atualmente, ele tem 22,4 milhões de inscritos em seu canal no YouTube e mais de 2,4 milhões de seguidores na plataforma de streaming Mixer, da Microsoft, onde está desde agosto.

Muitos além do universo dos games, o poder de influência de Ninja já extrapolou a barreira dos consoles, PCs e smartphones, colocando seu rosto em programas de TV e publicidades de marcas de vários segmentos. Aos 28 anos, fatura até US$ 500 mil mensais jogando. A ascensão de figuras como Ninja mostra a capacidade desse novo ecossistema na projeção de personagens globais, seja na posição de streamer (jogadores que transmitem seus jogos ao vivo), pró-players (jogadores profissionais que disputam competições oficiais) ou apenas criadores de conteúdo sobre games.

Ninja na final do Mundial de Fortnite 2019: streamer é um dos mais bem pagos do mundo

No Brasil, nomes como Pedro Afonso (Rezende), Marco Túlio (Authentic Games), Pac e Mike (Tazercraft), Leon e Nice (Coisa de Nerd), Bibi Tatto e Malena se tornaram conhecidos também fora dos limites do público que acompanha o universo gamer. Além dessa popularidade, o aumento da audiência fez com que esse influenciador se relacionasse profissionalmente também com as plataformas de streaming como Twitch, Mixer, Facebook Gaming e YouTube Gaming; as marcas, que querem incorporar os atributos dos jogadores em suas ações; e a imprensa, que passou a demandar entrevistas e a participações dos influenciadores nos mais diversos formatos.

Explosão midiática

Como aconteceu com outras indústrias, a explosão do meio digital potencializou a produção, distribuição e repercussão de conteúdo sobre games, assim como ajudou a popularizar a experiência de jogos online. A democratização dos smartphones acelerou o processo ainda mais. Começaram então a surgir os influenciadores do segmento, divididos, basicamente, em três atividades: os criadores de conteúdo, os streamers e os jogadores profissionais.

Antes mesmo do boom dos e-sports e do surgimento das plataformas de streaming, os vídeos com conteúdo de games já começavam conquistar audiência, como lembra Fernanda Domingues, CEO da FD Comunicação, assessoria especializada no universo gamer. “Tudo começou com os influenciadores que têm canal no YouTube. Há pelo menos dez anos eles têm jogado, analisado ou opinado sobre os games. Os mais sérios funcionam como críticos, apontando os prós e contras dos jogos. Outros levantam as histórias dos games, seus criadores, misturam com curiosidades nerds e levam conhecimento aos fãs. Por fim, há aqueles que simplesmente jogam e mostram alguns passos que muitas vezes ajudam o expectador a evoluir no jogo”, explica.

Shows do canal Authentic Games, criado por Marco Tulio, foram assistidos por mais de 400 mil pessoas

Mas há exceções. Marco Tulio lançou em 2011 o canal Authentic Games, que atualmente conta com 17,7 milhões de inscritos no YouTube. Com base no universo de Minecraft, ele usa a plataforma para desenvolver histórias e aventuras. “Muita gente acha que, por ser um gamer, faço vídeos ensinando a jogar. Não é isso. É quase como um desenho animado que se passa dentro de um jogo. E as crianças assistem ao canal como entretenimento mesmo”, afirma. Apesar de ter o canal na plataforma de vídeos do Google como hub para tudo que faz, Marco não se considera só um youtuber, mas um artista. Além de 300 produtos licenciados no mercado, a empresa Authentic Games tem uma escola de programação em Belo Horizonte com mais de mil alunos e um show que já levou mais de 400 mil pessoas aos teatros.

Gustavo Sanches, ou Davy Jones, criador do canal Gameplayrj (7,79 milhões de inscritos), também vê sua atuação para além do simples streaming. Antes mesmo de criar conteúdo de forma mais profissional, o influenciador já via oportunidades de negócio. Ele trabalhou na área comercial da Ipiranga de 2011 a 2012 quando ganhou um concurso de criadores de conteúdo do YouTube, o NextUp, e com o dinheiro do prêmio, começou a investir em seu canal. “Meu conteúdo sempre foi de entretenimento e com o passar dos anos fui evoluindo. Hoje faço vlog sobre notícias de videogame e lives por meio de uma parceria com o Facebook”, explica.

As plataformas de transmissão de jogos ganharam força nos últimos cinco anos após perceberem que as lives tinham público e potencial, atraindo muito investimento de grandes empresas de tecnologia. Entre as principais estão Twitch, da Amazon; Mixer, da Microsoft; Facebook Gaming e YouTube Gaming. Nos próximos meses, estão previstos os lançamentos de Stadia, do Google; e Arcade, da Apple. De acordo com o ­Facebook, todos os meses mais de 700 milhões de pessoas jogam, assistem ou interagem com grupos na plataforma da companhia. Além disso, a consultoria NewZoo revelou que em julho deste ano, a Twitch, da Amazon, e o YouTube tiveram quase 600 milhões de horas de partidas assistidas ao vivo, sendo 152,1 milhões de horas no YouTube e 434,4 milhões na Twitch.

De olho nessa audiência crescente e com objetivo de rentabilizar ainda mais o seu trabalho, tanto os jogadores profissionais quanto os influenciadores começaram a investir mais nas live streams. “Quando eu abri minha primeira stream estava no final do curso de publicidade e já via um potencial de mercado para o formato, mesmo quando ainda pouca gente me assistia. As coisas foram evoluindo e consegui um contrato mais estável, quando pude pedir demissão da agência para me dedicar à carreira de streamer”, conta Bianca Lula, a Thaiga, da paiN Gaming, equipe brasileira de esportes eletrônicos criada em 2010.

Seja ao vivo, com vídeos no YouTube ou em partidas oficiais, os influenciadores desse universo conseguem estabelecer um elo poderoso com o público que os assistem. “Essa conexão que sinto com eles é muito real”, revela a youtuber Camila Silveira, mais conhecida como Camilota XP, que também é atriz, streamer e apresentadora do Circuito Desafiante, porta de entrada para o Campeonato Brasileiro de League of Legends (CBLoL).

Além dos criadores de conteúdo e streamers, uma nova figura de influência tem conquistado público e ganhado o holofote das mídias e marcas: o jogador profissional. As competições de e-sports — mercado que deve movimentar uma receita de mais de US$ 1 bilhão em 2019, segundo a Newzoo — foram os principais impulsionadores desses influencers. “Eles fazem parte de uma equipe, jogam um jogo, têm salários, treinam diariamente, têm apoio psicológico, nutricionista, atividade física e participam de campeonatos oficiais, além de ganhar prêmios quando vencem. Como jogadores de futebol, eles também têm passe”, explica Fernanda Domingues. Para a youtuber e streamer Malena Riskevich Nunes (5,86 milhões de inscritos no YouTube), pró-players têm uma vantagem em relação a outros influenciadores, já que podem ser comparados aos esportistas tradicionais, o que facilita o entendimento por parte de patrocinadores. “Para jogar videogame também é necessário treino, dedicação e muita habilidade. Logo, quem joga é, de fato, um atleta”, pontua.

Profissionalização

Com a necessidade de se relacionar com tantas partes diferentes, alguns influenciadores começaram a se organizar e montar equipes de apoio. Ao mesmo tempo, surgiram empresas focadas em dar suporte para a carreiras dos gamers, seja no trabalho de agenciamento, na assessoria de comunicação ou numa mistura de ambas. “O trabalho dos criadores de conteúdo é árduo e requer muita dedicação, além de demandar gestão como toda grande empresa”, afirma Marco Tulio.

Na esteira deste processo, há operações como a Go4it, empresa que investe em games e esportes e que atua no modelo de venture builder, construindo startups com recurso próprios. Um de seus principais projetos é a plataforma Final Level que, com um pouco mais de um ano de lançamento, já reúne mais de 3,5 milhões de inscritos no YouTube e mais de 1,7 milhão de seguidores no Instagram. Seus conteúdos são produzidos por influenciadores a partir da Gameland, uma mansão no Rio de Janeiro que funciona também como um estúdio, onde os gamers trabalham e moram.

Fernanda Lobão, na Gameland: mansão abriga influenciadores para gerar conteúdo

“No começo, o projeto tinha uma mentalidade de TV e passamos a exigir um profissionalismo que muitos dos influenciadores não estavam acostumados”, explica Fernanda Lobão, CEO da Final Level. “Eles trabalhavam sozinhos, em seus quartos, fazendo conteúdo com tudo da cabeça deles. É um modelo disruptivo com aprendizado dos dois lados. Da nossa parte, tivemos que largar um pouco a mão do preciosismo do que seria uma produção nos moldes mais próximos de um canal de TV e dar mais liberdade de criação.” Para a executiva, o ponto principal para as empresas que se relacionam com esses influenciadores é ter empatia. A Final Level também é um hub de cocriação de projetos especiais para marcas como Oi, Smart Fit e iFood.

Influenciadores e outros especialistas em games acreditam que muitas marcas e agências ainda não entenderam as particularidades desse universo e suas possibilidades. Segundo Marco Tulio, grande parte do mercado não percebeu que o mundo dos criadores de conteúdo não pode ser usado apenas como um novo veículo de mídia para exibir a mesma campanha que se faz no offline. “Os influenciadores já têm personalidade, modo próprio de falar, sabem como e o que precisam fazer para que a mensagem chegue ao seu público”, avalia.

Em muitos casos, a profundidade estratégica dá lugar a ações pontuais com poucas chances de construir algo que realmente consiga aproveitar o potencial do influenciador. Thaiga, da paiN Gaming, diz que as marcas costumam ter abordagens superficiais, querendo saber o preço de um Story ou um de post no Instagram, por exemplo. “Se uma marca quer entrar com um produtor de conteúdo que tem esse nível de intimidade que o mundo gamer tem, é muito mais legal fazer uma ação e gerar uma ligação real”, reforça.

“O trabalho dos criadores de conteúdo é árduo e requer muita dedicação, além de demandar gestão como toda grande empresa” – Marco TulioNinja

Da mesma forma que algumas marcas ainda não entenderam como se inserir neste novo contexto, muitos influenciadores não entenderam a dimensão de seu papel e de que forma catalisar positivamente, por meio de uma gestão profissional de sua carreira. É para preencher esse gap que Fernanda Domingues fundou a FD Comunicação, empresa de PR, mídias sociais e consultoria especializada em games e e-sports. Em 20 anos de atuação a agência colaborou no lançamento de mais de mil jogos no Brasil, segundo a executiva, atendendo a publishers como Riot, Valve, Capcom e Bandai Namco. Atualmente trabalha para marcas como Bethesda, Niantic (Pokémon:GO e Harry Potter) e Oasis Games, além do influenciador Zangado. Esse portfólio é conquistado graças a um olhar estratégico que nem sempre está entre as prioridades do influencer. “O importante é olhar o engajamento, o tipo de jogo que o influenciador publica e os dados da audiência por idade, classe social e até mesmo localização geográfica”, sugere Fernanda Domingues.

Game original

O terceiro episódio da série Jornada Gamer, publicado no canal Meio & Mensagem no YouTube, mostra como os produtores de conteúdo do universo dos games trabalham numa linguagem própria para engajar consumidores, desenvolvendo estratégias e ações de marcas.

Fonte: Meio & Mensagem
Leia Mais
24out
CCXP convoca o público para criar o “trailer dos trailers”
NotíciasDeixe um comentário

Sugestões mais criativas devem ajudar a criar filme da campanha “O mundo de todos os mundos”.

CCXP – Comic Con Experience quer reforçar o posicionamento do festival de ser um espaço onde todos os mundos e subgêneros da cultura pop se encontram e coexistem.

Para isso, o festival convida o público a criar um trailer unindo trechos de histórias conhecidas e referências de filmes, animes, games e outros nichos do entretenimento.

As sugestões mais criativas e divertidas ajudarão a compor o filme principal da campanha “O mundo de todos os mundos”.

Para participar, interessados devem comentar no post que apresenta o teaser.

sexta edição da CCXP acontece de 5 a 8 de dezembro, em São Paulo. Em 2018, o festival recebeu 262 mil visitantes, batendo recorde de público.

Fonte: Promoview.

Leia Mais
24out
Capricho Shoes lança nova coleção em evento com influencers
NotíciasDeixe um comentário

A marca lançou sua coleção 2020 de tênis e sandálias em evento contando com a presença de influencers e integrantes da Galera Capricho.

 

Com conceito “Do seu jeito”, a Capricho Shoes realizou o lançamento de sua nova coleção de tênis e sandálias nesta terça-feira (22/10) na hamburgueria temática vintage Zé do Hambúrguer. O evento exclusivo contou com aproximadamente 40 convidados, entre eles, as meninas da Galera Capricho e influenciadoras como Júlia Gomes (@julinhagomes), Giu Nassa (@giunassa) e Júlia Olliver (@jujuolliver).

O evento contou com uma oficina de customização dos slides, promotoras fotografando os convidados com câmeras de revelação instantânea, além de um incrível espaço instagramável de balanço. Foram servidos mini-hambúrgueres, batata-frita, milkshakes, limonada, chás e refrigerantes da casa.

Todas as convidadas ganharam um tênis no modelo Likes Class Colorê Platform e um Slide branco, com o direito de fazer uma customização especial pela artista Karol Stefanini.

Todos os modelos poderão ser encontrados a partir de Novembro/Dezembro.

Onde encontrar:

Dafiti – https://www.dafiti.com.br/

Netshoes – https://www.netshoes.com.br/

Calçados Online – https://www.calcadosonline.com.br/

Katy Calçados – https://www.katy.com.br/

Pontal Calçados – https://www.pontal.com.br/

 

Sobre a Redibra:

Agência de licenciamento de marcas, com 55 anos de história, trabalha um seleto portfólio de marcas como: Coca-Cola, Nintendo, Capricho, Galinha Pintadinha e Chevrolet. E no R.Lab, um espaço de mentoria e inovação no licenciamento de novos conteúdos nacionais, possuem marcas como o desenho infantil Boris e Rufus, Chocolix e Any Malu.  A Redibra é conhecida por seu planejamento estratégico para a gestão das marcas e total suporte aos parceiros.

 

Para entrar em contato com a Redibra:

Site: www.redibra.com.br

Facebook: www.facebook.com/redibra

Linkedin: www.linkedin.com/company/redibra-licensing

Instagram: www.instagram.com/redibra

Telefone: 55 11 3383 1616

E-mail: redibra@redibra.com.br

Fonte: Redibra

 

Leia Mais
23out
Britto Jr. participa da websérie Live Masters
NotíciasDeixe um comentário

Presidente da Score Group, uma das maiores agências de shopper experience é o entrevistado do novo episódio da websérie que está no ar no canal do Promoview no YouTube.

Websérie Live Masters entra na sua 2ª temporada no canal do Promoview no YouTube.

A série traz depoimentos exclusivos de grandes nomes e também de jovens da nova geração do mercado de experience.

Os vídeos trazem críticas e opiniões, dando sequência ao propósito do Promoview que é o de apresentar o perfil e trajetória dos responsáveis pela nova comunicação, expandindo e compartilhando as experiências deles para ampliar e fortalecer a relevância do setor.

Neste episódio Britto Jr. conta como foi comprar e assumir a operação da consagrada TMSW em 2016, em um momento de crise aguda no País, realizar uma mudança completa na gestão e transformar a agência na Score Group, que realiza grandes eventos e ativações mas que tem foco nas ações de varejo omnichanel.

“Trade é parte do branding. Não adianta um enorme investimento em outros canais de mídia, se, no momento de compra ou consumo, a marca não reflete o mesmo posicionamento.”, comenta o executivo.

Este foco no mercado de shopper experience trouxe a fidelidade de companhias como Ambev, Mondeléz, BRF, Fiat, Burger King, Top Cau e Riachuelo, entre outras, e permitiram a construção conjunta de ações com resultados positivos e tangíveis.

“O segredo do crescimento da empresa se explica nos seus três principais pilares: pessoas motivadas, foco no que é especialista e investimento na gestão de projetos.”, afirma Britto durante a conversa com Promoview.

Além de falar sobre as experiências da Score Group, o empresário conta como foi a sua integração com o mercado chinês e os desafios de se manter relevante e competitivo no mercado.

Live Masters tem também amplificação pelas redes sociais do Promoview que já contam com mais de 60 mil seguidores.

A série de vídeos dá sequência ao editorial do livro Anuário Brasileiro de Live Marketing que listou empresários e profissionais de destaque no formato de comunicação que realizam ativações e eventos para conectar marcas e pessoas, ao vivo e no ambiente digital.

Fonte: Promoview.

 

Leia Mais
23out
Precious Moments é destaque em Feira de Licenciamento na América Latina
NotíciasDeixe um comentário

Precious Moments é considerada a marca inspiracional cristã mais reconhecida do mundo, com relevância internacional e sendo muito popular nos mercados religiosos e seculares. Atualmente, conta com mais de US $ 12 bilhões em vendas mundiais e mais de 14 milhões de livros e Bíblias para crianças vendidas com a marca.

Na última Feira de Licenciamento da América Latina que aconteceu na Cidade do México, o público recebeu a marca com empolgação pela sua linguagem clássica e pelos novos lançamentos de imagens do novo guia de estilo da marca que conta com um visual mais contemporâneo, colorido e jovem.

Fonte: Angelotti Licensing

Leia Mais
23out
Hypland lança Skate exclusivo de Naruto
NotíciasDeixe um comentário

A marca Hypland lançou neste mês nos EUA um skateboard exclusivo para a comemoração do aniversário de 20 anos da primeira publicação do mangá de Naruto no Japão.

Durante o “Ano do Naruto” serão lançados diversos produtos exclusivos no mundo todo.

Naruto é uma marca licenciada pela Angelotti Licensing.

Fonte: Angelotti Licensing

Leia Mais
23out
Charlie e Luna no 17º Festival Internacional de Cinema Infantil – FICI
NotíciasDeixe um comentário

Neste ano o FICI contará com a sessão especial “8x Animação – Especial Séries Brasileiras”. Uma oportunidade de conferir na telona, em uma mesma sessão, episódios de séries nacionais que fazem sucesso na telinha, entre elas destaque para “O Show da Luna!” e a mais recente série de sucesso “Charlie, O Entrevistador de Coisas”, ambas da produtora nacional Pinguim Content.

Confira a programação:

8x Animação – Especial Séries Brasileiras
Cinemark Botafogo (RJ) 20/out 15:00
Cinemark Niterói (RJ) 20/out 15:00
Cinemark Midway Mall (Natal) 20/out 15:00
Cinemark Jardins (Aracaju) 27/out 15:00
Cinemark Midway Mall (Natal) 27/out 16:30
Cinemark Eldorado (São Paulo) 09/nov 15:00

Fonte: TV Pinguim

 

Leia Mais
22out
Grazi Massafera e seu olhar sobre a publicidade
NotíciasDeixe um comentário

Atriz esteve em São Paulo renovando por quatro anos o contrato de licenciamento com a Luxottica para a linha Grazi Eyewear e contou ao M&M como gerencia sua carreira publicitária em paralelo aos trabalhos na Globo

Roseani Rocha
21 de outubro de 2019 – 16h19

Saúde ocular e oportunidade de influenciar criativamente influenciaram parceria renovada por quatro anos (Crédito: Divulgação)

Com uma agenda de gravações apertada, já que sua personagem Paloma é uma das protagonistas da novela das 19h da Globo – Bonsucesso – a atriz Grazi Massafera esteve em São Paulo neste domingo, 20, para anunciar o lançamento de uma das três coleções que traz ao mercado anualmente com o Grupo Luxottica e a renovação do contrato por mais quatro anos. Este é, atualmente, o único contrato de licenciamento de Grazi, que já teve uma parceria com a Azaleia. Para publicidade, ela tem contratos com L’Oréal (proteção solar e cabelos), Montecarlo (joalheria) e Forum.

Segundo Rubens Garcia, que faz a gestão de Grazi Eyewear, e outras nove grifes no portfólio da Luxottica, a marca, lançada oficialmente em 2016, ainda está em fase de expansão. “Vimos a oportunidade de ter uma marca de celebridade dentro do portfólio da Luxottica, que tem um rol de marcas bem extenso, porque no Brasil existe essa característica, no mercado ótico feminino, de os produtos de celebridade terem um peso grande e vimos na Grazi a pessoa com quem poderíamos desenvolver uma marca juntos”, ressalta Rubens.

Com Grazi Eyewear, a Luxottica lança produtos ao preço médio de R$ 340; um contraponto popular e mais acessível no grupo que tem, no extremo oposto, uma Chanel. Na comunicação, tocada pela DPZ&T, Grazi participa de uma grande campanha anual, cujas peças vão sendo distribuídas de acordo com as chegadas das coleções aos pontos de venda ao longo do ano (os mais de cinco mil pontos de distribuição no varejo ótico costumam ser abastecidos com as novidades em fevereiro, julho e novembro).

Na entrevista a seguir, a própria Grazi explica, em entrevista exclusiva ao Meio & Mensagem, por que mantém somente um contrato de licenciamento e é seletiva inclusive quanto aos contratos de publicidade que fecha.

Meio & Mensagem – Você já deve ter recebido inúmeras propostas de desenvolvimento de produto, o que te convenceu em ter uma marca de óculos? E a ficar somente com o licenciamento em parceria com a Luxottica?
Grazi Massafera – Dá trabalho, bastante trabalho. Mas eu fui me conscientizando… Comecei com L’Oréal, a linha de proteção solar. Se a gente protege o corpo, por que não proteger órgãos tão especiais do nosso corpo que são os olhos? E o meu olho é claro, ainda mais sensível, e já tive queimadura na retina, por causa de exposição ao sol duas vezes. É de chorar de olho fechado! Lembro que quando vieram com essa ideia, decidi primeiro experimentar fazer só uma campanha para a Luxottica. Para ver como seria esse relacionamento. E deu muito certo. Depois veio a conversa de a gente tentar fazer uma linha de óculos. Já fui logo dizendo que eu gosto dos modelos mais gateados. E vi que estava todo mundo disposto, a fim de criar junto. Eu vinha com algumas referências, eles traziam outras ainda mais especiais. E foi surgindo esse apego, que virou um xodozinho. Sou suspeita, mas acho que até quem não é já está vendo a qualidade, o quanto os produtos estão evoluindo e mudando. Mas voltando à questão da proteção ocular, isso foi um ponto alto para que eu pensasse em ter uma linha de óculos. Eu também comecei a ter que usar óculos de grau, leio muito texto, dirijo à noite, e sempre tive um pouco de vergonha de usar. Ter a minha linha ajudou até com isso.

M&M – Já teve alguma participação em criação e desenvolvimento do produto?
Grazi – Sim e chegamos agora a uma coisa que eu queria. Começamos com óculos com a haste um pouquinho mais grossa e eu gosto bem fininha. Esteticamente é mais bonita, fica mais leve, mais charmosinho. Também amo algo em que chegamos agora, que são as lentes mais amendoadas. Aquela escura, escura, toda hora eu tiro, que é pra enxergar. Gosto dessas mais amendoadas, mais suaves. E estou encontrando bastante gente que gosta também. Essa linha está muito mais parecida comigo. No início tinha mais reuniões. Agora, é uma coisa quase telepática. Esse povo já me capta. Também não sou muito difícil né. (risos) Vou pensando uma coisa lá, daqui a pouco já vejo “a gente veio com essa ideia”. Só me sento e, no máximo, peço uma haste um pouquinho mais fina. Vou nos detalhes. São muitos anos já, quase vira família. Mudam as pessoas, mas o carinho com a marca e o produto é o mesmo. Isso facilita muito o trabalho.

M&M – A sua vida publicitária, ou como garota-propaganda, começou somente depois do BBB ou já tinha feito algo antes?
Grazi – Eu tinha sido Miss Paraná, só tinha feito naquela época, antes de entrar no Big Brother, uma linha de jeans.

M&M – Com quantas marcas você tem contrato hoje para publicidade? E quem te ajuda a controlar essa agenda?
Grazi – É essa moça, que é meu braço, minha perna, meu anjo-da-guarda: Márcia Marbá. Ela também usa um chicotinho de vez em quando, quando precisa. (Márcia intervém: “Agora ela está sem chicote, porque ela está gravando, mas depois da novela, ela vai ter o chicote atrás dela. Tem muita coisa para acontecer depois da novela”). Sabe o que acontece, quando estou fazendo a novela, a Márcia fica um pouco… deixa eu escolher a palavra… “chateada” (risos). É que eu fico muito entregue e não sou dessas pessoas que fazem milhares de coisas ao mesmo tempo. Acho que ainda tenho dentro de mim aquele tempo do interior. E esse tempo me limita. Ao mesmo tempo, vivo muito aquilo que estou me propondo a fazer no momento. Tem a novela, tem a Sofia (filha). Tem a vida para administrar, que fica bem pequena quando a gente está fazendo novela, fico mais personagem do que outra coisa. E não consigo esse timing, ficar nessa correria, porque me cansa muito. Eu preciso da minha yoga, me exercitar um pouquinho e administrar o que já tem, que já é bastante coisa.

M&M – Já teve alguma proposta tentadora (de licenciamento ou publicidade), mas que foi recusada por algum critério de valor não-financeiro seu?
Grazi – Sempre! Tanto com publicidade quanto a minha carreira, eu penso a longo prazo. E a gente lida com a verdade. Não adianta fazer coisas que não tenham a ver comigo, porque vai soar muito fake. E só pela grana não está valendo mais a pena para mim, não. Quem sabe em algum momento anterior, quando a gente está matando um leão por dia pra comer. Agora não mais. É melhor ir com calma, fazer aquilo que tem a ver comigo, com a minha história, com as coisas que quero passar, que acredito. Com as empresas que têm um pensamento parecido com o meu. Hoje em dia tento juntar o útil ao agradável. Consegui chegar num lugarzinho em que me alio a empresas para somar. E gosto! Sempre fui vendedora, né. Trabalhava em loja.

M&M – E como você, que já foi vendedora e agora é atriz, vê a evolução dos merchandisings nas novelas?
Grazi – É um lucro bom para a empresa e para a Globo. É mais uma oportunidade de trabalho para a gente também fazendo os produtos da empresa, mas eu continuo gostando de fazer no particular mesmo. (risos)

M&M – Você tem 17,2 milhões de seguidores no Instagram, faz publi. Qual sua visão das redes sociais, tanto do ponto de vista de negócio, quanto psicologicamente, já que é teoricamente também um espaço de expressão pessoal, mas existe uma plateia desse tamanho acompanhando?
Grazi – Estamos chegando à maioridade né, daqui a pouco faz 18. Tem gente que sabe usar muito melhor que eu. Ainda estou tentando me encontrar. Mas dentro das minhas possibilidades, uso da forma que acredito e gosto, como se fosse um cartão de visita. As pessoas que te procuram estão em busca de alguma inspiração. Então, tento fazer daquele pedacinho uma coisa que me inspire e, consequentemente, talvez inspire alguém também. São coisas que vejo, filmes, coisas que me fazem bem, fazem bem para minha saúde.

Redes sociais são usadas “com moderação” comercialmente (Crédito: Divulgação)

M&M – E comercialmente?

Grazi – Uso muito pouco. É que, às vezes, fico com receio de soar meio mercenária. Inicialmente, o Instagram não foi criado para isso. Mas ele virou algo muito potente nesse lugar. Tenho um receiozinho.

M&M – Em 2016, você foi indicada ao Emmy, pela personagem Larissa, de Verdades Secretas. Poderá voltar à série?
Grazi – Não sei. Havia boatos que sim, havia boatos que não. E a mim ainda não chegou nada concreto. Mudou a direção (da atração) também.

M&M – Você já chegou a apresentar o Super Bonita, no GNT. Fica mais à vontade como atriz ou apresentadora?
Grazi – Amei! Foi divertido. Era um momento que eu estava meio desistindo da carreira de atriz, gostando de fazer, mas não sabendo o que eu queria ainda. Estava experimentando. E gostei.

M&M – Acredita que as críticas no início da sua carreira de atriz podem ter sido mais severas por ser mulher, e uma mulher bonita?

Grazi – Não. As críticas foram reflexo de algo que fui aprendendo aos olhos do público. Eu não vim preparada para ser atriz. Eu não era atriz. E todo mundo que se expõe a esse ponto… Hoje em dia, se você questionar a cor do feijão, vai ter discussão sobre isso. E olha que a época que comecei… não parece, mas já faz quase 15 anos, isso ainda era menos. Agora está impossível. A discussão é pra tudo. Tem o lado bom e o lado péssimo. Mas acho justo. Eu entrei num meio que não sabia o que era. Considero que tinha um certo talento, porém, não tinha estudo nenhum. E tudo na vida para a gente se aprimorar é necessário disciplina, foco, estudo. Foi o que eu achei que era necessário para eu ver se era isso que eu queria. Foi o que eu fiz, e cada vez mais me apaixono pela profissão. Já pensei em desistir. Já entrei em crise. Quem nunca? A única diferença é que exponho essa crise. Acho lindo quem não tem crise na profissão. As minhas me ajudaram a crescer, a melhorar, a me desenvolver mais. A querer mais e, consequentemente, fazer melhor. E que venham várias outras crises.

M&M – Você falou em ser uma inspiração no Instagram. Como vê esse movimento todo de empoderamento feminino – trabalhado muito na publicidade também por várias marcas – ao mesmo tempo em que ainda existem no Brasil problemas como um grau alto de violência contra a mulher?
Grazi – Olha, eu venho de uma família muito machista. Durante o período que minha mãe e meu pai foram casados – até os meus nove anos de idade – meu pai achava que a mulher tinha que casar cedo, para não “desandar na vida”. Lembro que em casa eu tinha de sentar de perninha fechada, aquele calor (faz gesto de abrir a perna) e já vinha um “meniiina!”. Era uma coisa muito machista dentro de casa, como a maioria das casas do nosso País. Quando meus pais se separaram foi a guinada, uma virada de chave até na vida da minha mãe. Ela não podia trabalhar e ela “teve” que trabalhar. E eu vendo minha mãe ganhando essa força para sustentar a gente foi lindo! Eu vivi um pouco as duas coisas. Vivi o ambiente extremamente machista e essa mudança da minha mãe para esse empoderamento. Isso foi essencial para que hoje eu tivesse coragem para fazer escolhas na minha vida. Eu sabia que ia ser mãe aos 30, com independência financeira, porque vi minha mãe passar dificuldade com meu pai. Vê-la criando uma nova profissão, quando já não tinha mais ele em casa, foi muito forte. E essa minha evolução tem a ver com o que está acontecendo com muitas mulheres também. E isso se reflete no meu trabalho, onde existem mulheres mais fortes. E sempre existiram mulheres fortes. Agora, até os homens querem assistir, ver nosso trabalho. Então, para minha profissão é um momento muito rico e eu, como atriz, agora com mais maturidade, estou vivenciando isso. Olha a Paloma. Sempre existiram as Palomas por aí. Vivenciar essa personagem que está sendo tão bem acolhida e inspiradora, ao mesmo tempo, as pessoas estão se identificando, faz parte desse momento que estamos vivendo. Antes, ela podia ser julgada: “Ah, é mãe solteira”. Estamos num momento feminino muito rico e as mulheres que têm maturidade e estão podendo vivenciar isso estão fazendo guinadas em suas vidas, cada uma à sua maneira. E isso é muito bonito de ver.

Fonte: Meio & Mensagem

Leia Mais
21out
Universal Brand Development Brasil levará Minions e Trolls ao Kids Festival 2019
NotíciasDeixe um comentário

Atrações das aclamadas franquias vão aproximar os fãs dos seus personagens favoritos em evento inédito no Brasil

São Paulo, outubro de 2019 – Responsável por franquias que fazem sucesso com personagens amados pelo público, a Universal Brand Development estará presente no Kids Festival, realizado de 25 a 27 de outubro, no São Paulo Expo. Inédito no Brasil, o evento acontece há mais de 10 anos na Europa e oferece uma diversidade de atividades culturais e recreativas, com conteúdos e produtos das principais marcas do segmento infantojuvenil.

O público poderá vivenciar experiências únicas no stand da Universal, que contará com ativações de duas de suas grandes marcas: Meu Malvado Favorito, com piscina de bolinhas personalizada dos Minions e espaço instagramável de banana, e Trolls, com cabine de vento e espaço instagramável com cabelos imitando a textura dos personagens. Além disso, haverá distribuição de brindes e sessões para conhecer e tirar fotos com os personagens.

Para o mercado de licenciamento – segmento que gerou faturamento anual de cerca de R$ 18 bilhões nos últimos três anos, segundo a Associação Brasileira de Licenciamento de Marcas e Personagens (Abral) – o evento é uma grande oportunidade para aproximar as marcas do público e fortalecer essa relação.

“Os personagens de Meu Malvado Favorito, nossa maior e mais rentável franquia de animação, com 8.9 milhões de espectadores no Brasil, são o 3º personagem que as crianças mais gostariam de ter produtos, mesmo em ano sem filmes”, comemora Cristina Leme, Diretora de Licenciamento da NBCUniversal Brasil.

Trolls, a animação musical da DreamWorks lançada em 2016 nos cinemas, continuou espalhando positividade com o seriado Trolls: O Ritmo Continua, exibido na Netflix e no SBT e agora começa a campanha para o lançamento da sequência do filme, Trolls 2, prevista para chegar aos cinemas brasileiros em 16 de abril de 2020. “Sabemos que os fãs de Poppy e sua turma estão ansiosos por novidades e neste novo filme música e animação não vão faltar.”, revela Cristina.

 

Programação da Universal Brand Development

Personagens no palco principal: 10h15 e 17h15

Meet & Greet Minions: 10h30 e 17h30

Meet & Greet Trolls: 11h10 e 18h10

 

Serviço Kids Festival

Data: de 25 a 27 de outubro

Local: São Paulo Expo – Pavilhão 3

Endereço: Rodovia dos Imigrantes, km 1,5 – São Paulo/SP

www.kidsfestivalsp.com.br

 

Sobre a Universal Brand Development:

A Universal Brand Development oferece um vasto portfólio de personagens e histórias que se conectam com todos os públicos. De dinossauros a criaturas coloridas que amam abraçar, construímos franquias globais que são um reflexo de nossos consumidores, sendo sua diversidade a nossa maior inspiração. As principais marcas para licenciamento no Brasil são: Meu Malvado Favorito/Minions, Jurassic World, Trolls, Pica Pau, Velozes e Furiosos, Monstros e os clássicos E.T., Tubarão, De Volta para o Futuro e Onde Está Wally?

#TodaGrandeHistóriaÉUniversal

 

Imprensa:

Pub Comunica (11) 3031-0746

 

Bruna Valença (11) 97651-0971

bruna.valenca@pubcomunica.com.br

 

Valéria Masson (11) 95651-7474

valeria.masson@pubcomunica.com.br

Leia Mais
21out
Negócio de livros personalizados se une à Disney para acelerar expansão
NotíciasDeixe um comentário

Dentro da História lança enredos com princesas. Mais personagens, clube de assinatura e expansão para outros países e tipos de cliente estão nos planos

Flávio Aguiar e Felipe Paniago em pé e Diego Moraes e André Campelo sentados, da Dentro da História

Flávio Aguiar e Felipe Paniago em pé e Diego Moraes e André Campelo sentados, da Dentro da História: mais de 400 mil livros vendidos na projeção de 2019 (Dentro da História/Divulgação)

A inovação chega aos mais tradicionais segmentos — inclusive para as editoras de livros e para marcas tão tradicionais quanto a Disney. Depois de adquirir marcas como Star Wars e criar seu próprio streaming, a gigante do entretenimento licenciou seus personagens para o empreendimento brasileiro Dentro da História.

A Dentro da História, com sede em Campinas (São Paulo), produz livros personalizados nos quais avatares das crianças convivem com personagens e ambiente familiares — como, agora, Branca de Neve, Cinderela, Jasmine e Pocahontas. A parceria ajudará o empreendimento em sua projeção de encerrar o ano com um faturamento acima de 20 milhões de reais. São mais de 400 mil livros vendidos.

História e parceria com Disney

O mercado de livros para crianças, adolescentes e jovens adultos passa por um leve crescimento, ao contrário do que se imagina. Entre 2013 e 2017, a receita de livros de ficção dos Estados Unidos nessa categoria aumentou 11,3%, para 3,67 bilhões de dólares, de acordo com o relatório anual da Association of American Publishers. Já a receita de não-ficção retraiu 2,3%, para 652 milhões de dólares.

Os empreendedores André Campelo, Diego Moraes, Felipe Paniago e Flavio Aguiar criaram a Dentro da História em 2016. “Tradicionalmente, as editoras estimam tiragens, têm venda terceirizada e acumulam estoque. Nós temos um produto sob demanda e com distribuição direta por canais próprios”, afirma Campelo.

A validação do negócio se deu na Bienal do Livro de São Paulo. Em um estande da Maurício de Souza Produções, a Dentro da História colocou tótens para as crianças montarem seus avatares e imprimirem livros da Turma da Mônica na hora. Hoje, personagens como Batman, Galinha Pintadinha, Meninas Superpoderosas, Meu Pequeno Torcedor (com times de futebol como Corinthians e Flamengo), Patrulha Canina e O Show da Luna foram licenciados para o Dentro da História.

Em 2017, o mercado brasileiro de licenciamento faturou 4,4 bilhões de dólares, 15% mais do que no ano anterior. O Brasil é o sétimo país em licenciamento no mundo — e os produtos infantis correspondem a 70% dos itens licenciados.

As obras são principalmente para crianças de dois a oito anos de idade, mas há livros para bebês e pré-adolescentes. A montagem do avatar e a seleção dos enredos são feitas pelos pais na internet. São cerca de 100 histórias personalizáveis disponíveis. Cada livro custa 69,90 reais, mais frete fixo de 12,90 reais. Os consumidores da Dentro de História costumam comprar 1,5 livro, com tíquete médio de cerca de 150 reais.

Livros da Dentro da História, com licenciamento da Disney
Livros da Dentro da História, com licenciamento da Disney (Dentro da História/Divulgação)

A negociação com a Disney começou ainda em 2017, em outra Bienal do Livro de São Paulo. Entre as exigências estavam a aprovação do estilo dos avatares das crianças, todas as posições das personagens e o roteiro. Cada livro costuma ter 30 mil variações de posições. A Dentro da História tem hoje o licenciamento de 11 princesas da Disney. Já foram lançados livros com Branca de Neve, Cinderela, Jasmine e Pocahontas. Outras produções da marca, como Divertida Mente e Toy Story, podem ser lançadas em breve.

A expansão dos livros personalizados

No começo deste ano, a Dentro da História começou a expandir internacionalmente. Por meio da marca Playstories, já está na Espanha e planeja sua chegada a Portugal em breve. Em 2020, será a vez dos Estados Unidos.

A Dentro da História também está testando um novo modelo de negócio: o clube de assinatura. O livro mensal acompanha adesivos; uma carta aos pais sobre os temas que podem ser trabalhados a partir da história; e uma surpresa para a criança, como um jogo ou um pôster. Com dois meses de operação, o clube tem mil assinantes.

O empreedimento também testa um modelo B2B2C (vender para empresas que se relacionam com os consumidores finais). A Dentro da História monta livros para cerca de 30 escolas de acordo com as diretrizes da Base Nacional Curricular Comum e fez um projeto com o Banco do Brasil para um livro personalizado para um produto de previdência privada aos filhos.

Por fim, a Dentro da História busca enredos que vão além dos personagens animados. A marca abriu uma divisão de clássicos, com um livro personalizado baseado na obra O Pequeno Príncipe (Antoine de Saint-Exupéry), e uma divisão de histórias originais, com um livro que fala sobre emoções. Além dos lançamentos atrelados à Disney, obras de Monteiro Lobato e histórias da personagem Anittinha estão na lista de futuros livros.

Para 2019, a Dentro da História chegar a 10 mil assinantes e faturar acima de 20 milhões de reais. Em 2018, o faturamento foi de 12 milhões. Para 2020, o plano é passar de um milhão de livros vendidos e mais de 25 mil assinantes do clube. Se as editoras tradicionais lutam pela sobrevivência, a Dentro da História expande no ritmo das startups.

Fonte: Exame

 

 

Leia Mais

Arquivos

PRÓXIMOS EVENTOS

jan
1
ter
dia inteiro EXPO BRASIL FEIRAS @SUL, SUDESTE E NORDESTE – BRASIL
EXPO BRASIL FEIRAS @SUL, SUDESTE E NORDESTE – BRASIL
jan 1 – dez 31 dia inteiro
Evento itinerante SUL, SUDESTE E NORDESTE – BRASIL

INSTAGRAM ABRAL

No images found!
Try some other hashtag or username