You are currently viewing Produtora de Dragon Ball quer superar Axie Infinity e entra para metaverso

Produtora de Dragon Ball quer superar Axie Infinity e entra para metaverso

Com sua entrada no metaverso, a empresa pretende disponibilizar NFTs e recompensas em criptomoedas a seus jogadores, que poderão tirar o máximo dos MMORPGs sul-coreanos

O anúncio foi feito pelo CEO da Netmarble, Bang Jun-hyuck. A empresa é hoje o maior estúdio de desenvolvimento de jogos para celular e tablets da Coreia do Sul.

Segundo Jun-hyuck o time já está trabalhando no desenvolvimento de novos jogos para celular e tablets, envolvendo os tokens não fungíveis (NFTs). Além disso, o metaverso da Netmarble terá um token próprio, que será usado na economia do game.

“Planejamos desenvolver jogos de metaverso que permitam aos usuários, sejam indivíduos ou empresas, obter ativos virtuais que podem ser trocados por ativos reais, como moeda, por meio da tecnologia blockchain”, disse Jun-hyuck.

Além disso, o executivo também anunciou avatares chamados Hena, Lina e Siu que se apresentarão como atores e cantores virtuais e aparecerão como personagens do jogo.

Netmarble entra com tudo no metaverso

Além disso, a Netmarble anunciou que está dedicando um de seus escritórios exclusivamente para seus desenvolvimentos no metaverso. Também destacou que os jogos seguirão o mesmo destino do Mir4, um MMORPG popular que conta com NFTs ​​e outros ativos negociáveis dentro do jogo.

No entanto, embora a Netmarble seja o maior produtor de jogos da Coreia do Sul, seus games no estilo play-to-earn só estarão disponíveis no país como um MMORPG normal, gratuito e sem recompensas em criptomoedas, ao contrário dos jogadores de outros países.

Isso ocorre pois o país ordenou que as lojas de aplicativos retirem qualquer jogo com prêmios em criptomoedas de qualquer tipo, incluindo aqueles que permitem que NFTs sejam negociados por dinheiro.

Porém, isso pode não ser um problema para a Netmarble, já que em 2021, 74% da receita da empresa veio de vendas fora da Coreia do Sul, e a equipe espera que o número ultrapasse 80% em 2022.

Fonte: Exame

Deixe um comentário